Eu sou trouxa

Eu sou trouxa, e não é pouco.Ao longo dos anos tenho pensado em como eu não consigo prejudicar os outros para tirar vantagem, apesar de ver a maior parte da sociedade fazê-lo.

E não falo só dos políticos, que tiram vantagem de sua posição privilegiada para afanar os recursos que deveriam ser retornados à população. Falo no geral.

Uma vez eu decobri que alguém tinha roubado uma tampinha do ventil de um dos pneus do meu carro. O cara devia estar sem, viu meu carro estacionado, foi ali e pegou. Pensei se eu conseguiria fazer o mesmo e tirar a tampinha de outro carro, pra cobrir o meu prejuízo. Até hoje meu pneu está sem a tampinha.

Só de pensar em fazer algo pra tirar vantagem (mediante prejuízo de outros), eu já me reprovo antes de fazer. Se o fizesse, eu nem ia ficar contente com a vantagem. Eu não consigo fazer. Eu fico me colocando no lugar do outro que vai sair prejudicado, e não faço. Eu não dormiria a noite se o fizesse.

Eu me pergunto sempre: como os outros conseguem?

O Mário Sérgio Cortella conta a história de um maratonista que deve ser trouxa como eu.

Meu consolo é que não sou trouxa sozinho. Essa semana, duas pessoas próximas vieram me confessar que tem o mesmo dilema. Uma, inclusive, disse espontaneamente: “como eu sou trouxa!”, logo no início da sua fala.

Uns dizem que é empatia, outros moral, e outros que sou trouxa.

Meu deus, como é bom ser trouxa.

Publicado por

Jerônimo Fagundes da Silva

Oi, eu sou o Jerônimo. :-D Desde 2004, trabalho com desenvolvimento de software voltado à web. Nesse período, trabalhei com diferentes tecnologias, e sempre voltado à web: HTML, JavaScript, CSS, PHP, MySQL, C, PostgreSQL, e ainda outras que não estou lembrando agora. Atualmente, moro em Canoas-RS-Brasil e trabalho como Líder de Desenvolvimento na KingHost em Porto Alegre-RS-Brasil.